Aprovado PL de Luciano Pimentel que institui carteira de identificação para autistas

O deputado estadual Luciano Pimentel abraçou a causa do autismo e tem apresentado, na Assembleia Legislativa, proposituras que visam conscientizar a sociedade sergipana sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA) e garantir que os direitos das pessoas diagnosticadas com TEA sejam respeitados em Sergipe. Esse trabalho obteve mais um resultado positivo na última segunda-feira, 23, com a aprovação do PL Nº 163/2019, que institui a carteira de identificação para autistas.

Ao justificar a relevância do PL, Luciano Pimentel destacou que desde a sanção da Lei Nº 8.522/2019, fruto de um projeto de sua autoria que determina o atendimento preferencial para autistas em estabelecimentos públicos e privados do estado, os familiares e pessoas com TEA enfrentam dificuldades para comprovar que são contemplados pela legislação.

“O TEA não é facilmente identificável. Por essa razão,  quando um familiar ou o próprio autista solicita o atendimento prioritário, ainda há um estranhamento por parte de quem os recepciona em estabelecimentos comercias e consultórios. Isso ocorre porque muitos não possuem conhecimento sobre o transtorno e questionam a real necessidade da preferencial, condicionando o acesso ao benefício a apresentação de um laudo médico. Neste sentido, propusemos esse projeto para reforçar a garantia desse direito previsto em lei e evitar que essas pessoas precisem carregar o laudo médico para todos os locais. Com isso acolhemos um anseio antigo dos pais e mães com quem dialogamos “, enfatiza Luciano Pimentel.

Segundo o parlamentar, o documento também será importante para aperfeiçoar a política de proteção aos direitos desta parcela significativa da população. “Em Sergipe, não temos estatísticas oficiais sobre o número de pessoas com autismo, havendo apenas uma estimativa. Com a emissão da carteira de identificação, passarem a contar com números mais precisos, proporcionando aos órgãos responsáveis pela execução da política de atenção o cadastramento desse público”, salienta.

A carteira terá validade de cinco anos e será expedida sem qualquer custo, por meio de solicitação devidamente preenchida e assinada pelo interessado ou representante legal. Para emitir o documento será requisitado o relatório médico, confirmando o diagnóstico, acompanhado de documentos pessoais, bem como dos seus responsáveis legais e comprovante de endereço.

 

Assessoria Parlamentar - Foto: Edu Almeida

 

 

Email: contato@imprensa24h.com.br

Agilidade e informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h

Imprensa 24 Horas

Siga nossas redes :

Facebook
Instagram
Twitter

Imprensa 24h

Agilidade e informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h

Deixe uma resposta