Entrevista: É possível recuperar pessoas da dependência química?

Com a palavra – Dep. Capitão Samuel apresentando o Batalhão da Restauração
Hoje, feriado (local) da Mudança da capital, antes na cidade de São Cristóvão, passou para
a cidade de Aracaju. Alô!!! São Cristóvão, Aracaju (e grande Aracaju): Parabéns!!! Parabenizando
também a todo povo sergipano!!! E falando em mudança, hoje, vamos falar sobre mudanças de
vidas.

Em tempos de crise gerada pela pandemia e tantos outros motivos tem sido cada vez mais
difícil para muitas pessoas de se conviver com o isolamento social e as consequências da epidemia
mundial. Daí onde nasce os problemas como dependência química. De onde vem a pergunta: Será
que é possível recuperar pessoas da dependência química?

Entrevista

Com a palavra: Dep. Capitão Samuel –
Bacharel em Direito e Bacharel em Segurança
Pública, Pós-Graduando em Segurança e
Cidadania, Capitão da Polícia Militar e
Deputado Estadual – apresentando o Batalhão
da Restauração.
Colunista Andréa Modesto: Atualmente como estão as estatísticas em relação à dependência
química?

Entrevistado Capitão Samuel: A nível nacional a dependência química atinge atualmente uma
média de 100.000 pessoas, que gera muitas vezes, também, problemas na saúde mental.

Colunista Andréa Modesto: Por que ou como pessoas se tornam dependentes químicos?

Entrevistado Capitão Samuel: Primeiro por predisposição genética a vícios, como por exemplo, a
substancias psicoativas, jogos de azar, pode ser até por uma paixão humana (dependência por
outra pessoa), e em segundo lugar, por problemas causados dentro ou fora da família. E esses
problemas podem tornar pessoas que fazem uso de substancias psicoativas a se tornarem
dependentes. Porque a maioria das pessoas que fazem uso de substancia química não se viciam.
Mas quando se trata do uso de drogas como o Crack, que produz um efeito mais letal, o risco de
ocorrer o vício é de maior incidência, aos que fazem o uso.

Colunista Andréa Modesto: Na sua opinião, existe alguma relação entre dependência química com
a dependência emocional?

Publicidade:

Entrevistado Capitão Samuel: Uma pessoa que é dependente emocional de algo, pode ser de um
local, trabalho ou de uma pessoa, emocionalmente se torna um viciado daquilo. A dependência
química existe a partir de algum produto. A relação entre elas acontece a partir do momento em que
a pessoa vive uma frustração, que pode levar ao uso de substancias químicas. E a pessoa que já
se tornou dependente emocional de alguém pode manifestar uma predisposição a se tornar um
dependente químico. Inclusive muitos que se tornaram dependentes químicos começou com algum
tipo de dependência emocional ou situações graves que o envolveram emocionalmente, quase
sempre iniciou na infância e adolescência, e a dor, a ferida aberta que ficou, leva essas pessoas a
fazer uso de substancias químicas, e consequentemente à dependência química e ao vício.

Colunista Andréa Modesto: Qual o perigo que as drogas ílicitas representam para a sociedade de
um modo geral?

Entrevistado Capitão Samuel: Muitas famílias procuram as unidades de segurança policial, por
não saberem o que fazer com filhos ou agregados envolvidos diretamente com a drogadição, que
geralmente causa dívidas com o sistema de tráfico e se reflete na violência nas ruas como assaltos
e outros delitos. Ao meu ver, a violência está ligada fortemente com o problema da drogadição; tanto
que o sistema carcerário é reflexo disso aqui no estado de Sergipe. A maioria da população
carcerária vem do envolvimento direto com o mundo das drogas.

Colunista Andréa Modesto: O seu trabalho de tratar e recuperar pessoas tem um espaço voltado
a Dependentes Químicos que é o Batalhão da Restauração. Como funciona o Batalhão da
Restauração?

Entrevistado Capitão Samuel: Por conta da realidade já citada, é que idealizamos uma alternativa
de tratamento gratuito às famílias sergipanas, para essas pessoas que necessitam de tratamento
com internação. O Batalhão da Restauração veio suprir e oferecer suporte a esses dependentes
que outrora se encontravam em abandono e sem tratamento.

Colunista Andréa Modesto: Quando uma pessoa pode procurar o Batalhão da Restauração?

Entrevistado Capitão Samuel: Quem decide a internação são dois critérios:

1) Ter a vaga disponível; (Atualmente existem 100 internos). A disponibilidade de vagas é
verificado na Unidade de Atendimento administrativo, inicial do Batalhão da Restauração.
Existe o atendimento por telefone através do número 99826-2166 whatsapp (Sede de
Acolhimento).
2) Outro critério é que a própria pessoa queira por livre e espontânea vontade receber o
tratamento de internação; Independente do perfil financeiro da família.
Colunista Andréa Modesto: Qual o alerta para toda sociedade sobre a Dependência Química?
Entrevistado Capitão Samuel: Ter cuidado com os preconceitos de achar que dependência
química é uma coisa engraçada, achar que é coisa de gente safado, e achar que é coisa de ladrão.
E sim, é uma doença que pode e tem como ser tratada.

“ O que não pode é incentivar o uso de drogas, como existe pessoas que
passam pelo chamado grupo de “pé inchado”, que bebem durante o dia todo
e ter pessoas que ache engraçado ou divertido ver isso. Quando na verdade
não é engraçado, a pessoa está contribuindo para a doença do vício que
podem levar essas pessoas à morte”.

Colunista Andréa Modesto: Quais seriam as 5 dicas para pessoas que sentem que sofre de
dependência química mas não sabe o que fazer?

1) Uma alternativa de imediato pode ser conduzir a pessoa em dependência química a um
CAPs;
2) Mostrar a pessoa que existem possibilidades de sair daquela situação, inclusive através de
instituições religiosas voltadas para essa temática que ofereçam suporte;
3) Mostrar a possibilidade de receber ajuda profissional de sua cidade;
4) Buscar Grupos de Auto- Ajuda (Como por exemplo, os alcoólicos anônimos);
5) Manter comunicação e informação, inclusive através das redes sociais;

Você quer comentar, conhece pessoas que precisa de ajuda com dependência
química ou emocional? Pode entrar em contato nos links abaixo do texto.

 

Meu nome é Andréa Modesto e estaremos aqui semanalmente conversando nesta coluna.
Um grande abraço em todos vocês!!! Me siga no meu canal do You Tube: Andréa
Modesto ou Facebook: www.facebook.com/andrea.liberty.5/saúde-da-alma.

 

 

 

Andréa Modesto – Assistente Social | Pós Graduanda em Saúde da Família | Mestranda em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente | Atua na área da saúde emocional autora do Projeto Saúde da Alma.

E-mail: anmosa21@gmail.com

 

 

 

 

 

Notícias de Sergipe

Email: contato@imprensa24h.com.br

Agilidade e informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h

Imprensa 24 Horas

Siga nossas redes:

Facebook
Instagram
Twitter

Imprensa 24h

Notícias de Sergipe: Informações com credibilidade são as marcas do Imprensa 24h.

Deixe uma resposta