Projeto Sorrindo para a vida: iniciativa já beneficiou mais de 50 crianças com microcefalia 

Com o objetivo de acompanhar o crescimento e desenvolvimento de crianças com microcefalia, especialmente quanto à saúde bucal — identificando e tratando precocemente possíveis alterações —, a Universidade Tiradentes (Unit), por meio do curso de Odontologia, desenvolve o projeto Sorrindo para a vida. O projeto teve início ainda em 2015, após o surto do Zika vírus no Brasil. Sensibilizada pela causa dos recém-nascidos, a docente Saione Cruz idealizou o projeto e convidou a professora Aline Soares para desenvolvê-lo.

“O projeto é de grande importância, pois nos permite acompanhar de perto os cuidados com a saúde bucal da criança e, consequentemente, proporcionar a ela uma atenção de forma geral, pois a saúde começa pela boca”, comenta a odontopediatra e uma das responsáveis pelo projeto, professora Aline Soares.

O projeto oferece todo o tratamento odontológico, de forma gratuita, assim como serviços multidisciplinares, como palestras com profissionais voluntários de outras áreas da saúde e afins. “Contamos com o apoio de nutricionistas, fonoaudiólogos e psicólogos, todos empenhados em contribuir para a qualidade de vida dessas crianças e suas famílias”, enfatiza.

Desde o início do projeto já foram atendidas mais de 50 crianças. “Os atendimentos variam de acordo com a necessidade de cada criança. Alguns retornavam mensalmente, outros a cada dois, quatro ou seis meses. Mas as famílias continuam sendo assistidas de forma multidisciplinar, participando de palestras e dinâmicas, promovidas pelo projeto em parceria com outras áreas da saúde”, destaca a odontopediatra. Com a pandemia do novo coronavírus, o projeto foi suspenso temporariamente. “A importância social é muito grande, pois essas crianças carecem de serviço odontológico especializado. Além de a maioria ser de família de baixa renda, o projeto oferece atendimento gratuito. Conseguimos também abranger o atendimento e nos tornarmos referência para Alagoas e Bahia”, acrescenta.

Aline Soares destaca o papel da Odontologia em pacientes com microcefalia. “O cirurgião-dentista deve conhecer as características craniomaxilofaciais desses pacientes, bem como os achados bucais, para promover saúde e qualidade de vida a eles”, frisa. “A prevenção continua sendo o melhor caminho, especialmente em pacientes portadores de algum tipo de deficiência”, finaliza.

 

Assessoria de imprensa | Unit

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *